Imprensa
Quinta-feira, 09 de Janeiro de 2020, 10h:00

Mesmo com mobilização de servidores deputados aprovam projeto de aumento previdenciário

Gizele Carvalho / Sindspen-MT

Com 14 votos a favor e 9 contrários a Assembleia Legislativa aprovou, durante a sessão ordinária de quarta-feira (08), em primeira votação, o projeto do governador Mauro Mendes que aumenta a alíquota previdenciária dos servidores públicos de Mato Grosso de 11% para 14%.


Na galeria os servidores presentes se indignaram com a decisão, pois estavam na expectativa de um acordo que favorecesse pelo menos os aposentados e pensionistas.

previdência

 

A segunda votação da proposta deve acontecer nas sessões extraordinárias convocadas pelo presidente da Assembleia, Eduardo Botelho, para o período vespertino desta quinta-feira (09) podendo se estender devido o deputado Lúdio Cabral ter anunciado que iria pedir vista do projeto na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) marcada para acontecer logo após a sessão de quarta-feira.


Os três substitutivos integrais apresentados ao texto não foram analisados. A expectativa dos servidores é que eles sejam apreciados durante a segunda votação e por esse motivo a mobilização continua.


O vice-presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários (Sindspen), Gilciney Mendes Gomes que esteve presente durantes todas as sessões reforçou aos Policiais Penais que a luta continua.


"Vamos continuar mobilizados na Assembléia Legislativa nesta quinta-feira (9). Devemos estar presentes para que possamos lutar juntos, agora pela nossa valorização. Está previsto para ser colocado em pauta na AlMT a Lei Orçamentária Anual a qual prevê a valorização dos Policias Penais, juntos somos mais fortes".


Deputados que votaram contra
Paulo Araújo (PP), João Batista (PROS), Lúdio Cabral (PT), delegado Claudinei (PSL), Thiago Silva (MDB), Valdir Barranco (PT), Elizeu Nascimento (DC), Dr. João (MDB) e Max Russi (PSB).

Comentários









COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.