Imprensa
Sexta-feira, 12 de Abril de 2019, 14h:11

Revista

Apreensão na PCE é resultado do trabalho dos agentes penitenciários de prevenção à entrada de produtos ilícitos

Mais de 70 celulares foram apreendidos na Penitenciária Central do Estado (PCE).

Assessoria de Imprensa Sindspen/MT
imprensasindspenmt@gmail.com

Dando continuidade ao trabalho iniciado de prevenção ha expansão do crime organizado, a partir de dentro do presidio e demais unidades penais, a direção da Penitenciaria Central (PCE), realizou na manhã de ontem (11), mais uma vistoria nas dependências da penitenciária.

Após indicação do setor de inteligência de que celulares estariam escondidos próximos a uma das salas onde é desenvolvido um projeto social que visa à reinserção do apenado há sociedade, uma equipe foi deslocada para o local indicado e lá foram encontrados 78 celulares escondidos na parte interna do forro, envoltos em insulfilme.

O que parece ser surpresa para a sociedade é muito comum para os servidores, já que quase que diariamente, pessoas são flagradas  jogando extra murro materiais proibidos para dentro das unidades penais em todo Estado, muitas dessa são noticias  pautadas pela imprensa. “Isso não é segredo para ninguém”, pontua Jacira Maria da Costa, Presidente em substituição do Sindspen-MT. Conforme a presidente, o que gostaria de ressaltar nesse cenário é a atuação e compromisso dos servidores que integram o sistema penitenciário de Mato Grosso, onde diariamente, plantão após plantão, esses sentinelas, zelam pela ordem, disciplina e bom funcionamento das unidades penais, evitando que sejam burladas as leis que regem os presídios, cadeias e centro de ressocialização de entrada de drogas, armas, aparelhos celulares e demais objetos proibidos nas dependências das unidades.

Apesar de todo cuidado e zelo na execução de suas tarefas, ainda existem ocorrências nesse sentido, como a ocorrida na manhã de ontem na PCE e que pontua muito bem o trabalho que os servidores estão desenvolvendo de atenção, responsabilidade e compromisso com a missão que assumiram, mesmo diante de um sistema caótico e da falta de efetivo, que também não é segredo para ninguém. Sobre o ocorrido, o diretor da PCE, Revétrio Francisco, disse que a direção recebeu a informação de que tinha entrado uma carga de telefone e indicaram o local onde estaria escondido, onde foi deslocada uma equipe para o local indicado e foram encontrados os aparelhos celulares.

“Esse é um trabalho corriqueiro na PCE, temos o compromisso de barrar e evitar o máximo possível  a entrada desse produtos. Temos o compromisso com a ordem e  a disciplina. Todos os celulares foram encaminhados para as autoridades competentes para que sejam tomadas as medidas legais.”, frisou Francisco.

“A força tarefa tem sido exitosa e o trabalho continua, ressalto o trabalho que vem sendo desempenhado pelas equipes e destaco o esforço por parte dos agentes penitenciários que mesmo diante da falta de efetivo, com eminente esforço que precisam fazer para darem conta do trabalho, tem apresentado excelente resultado nas operações, só temos que nos orgulhar dos nossos servidores. Essas apreensões, não somente na PCE, como também em outras unidades é resultado do trabalho do trabalho prevenção à entrada de produtos ilícitos”, finalizou Jacira.  

Comentários









COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site. Clique aqui para denunciar um comentário.